22 DE MARÇO. DIA NACIONAL DE LUTAS CONTRA O FIM DAS APOSENTADORIAS! CONTRA A REFORMA DA PREVIDÊNCIA!

Hoje, Dia Nacional de Lutas contra o fim das aposentadorias! Contra a Reforma da previdência! Os Sindicatos de Marília, APEOESP e outras entidades manifestaram seu repúdio à proposta de reforma do governo com cartazes, palavras de ordem e muita indignação.

 

Os dirigentes e ativistas falaram à população sobre os impactos da reforma da previdência, que na realidade afetará todos nós trabalhadores (as) e que esmagará a população mais deficitária – dependentes de programas sociais, os que possuem os mais baixos salários e as mulheres.  Essa reforma aumenta a idade mínima de aposentadoria para idades que as pessoas já são rejeitadas pelo mercado de trabalho.

 

Nessa reforma, o trabalhador (a) brasileiro (a) que contribui a vida toda, que quando se aposenta tem a sorte de se aposentar por tempo de contribuição comprovada, muitas vezes tem sua saúde drasticamente abalada. E o pouco que recebe (sim, pouco, porque a grande maioria dos brasileiros (as) aposentados não recebe altos salários), não suprem uma vida de qualidade.  Se essa proposta for aprovada pelo Congresso, o trabalhador (a) terá que trabalhar ainda mais! Que tipo de vida restará?

 

As mulheres serão as mais prejudicadas com Golpe da Previdência! Apesar de ser a maioria na força de trabalho, geralmente, tem sua remuneração cerca de 53% menos que os homens, conforme recente pesquisa do site de empregos Catho. As mulheres possuem jornada tripla de trabalho e ainda, atualmente, cerca de 30% delas se aposentam por tempo de contribuição (sendo 30 anos de contribuição comprovada). Com 40 anos de contribuição, como será?

 

Em relação aos militares, no projeto encaminhado para o Legislativo, há mudanças no sistema de proteção social que irá gerar uma economia de 97,3 bilhões de reais. Mas vejam bem, essa economia é DEZ ANOS! Mas para que haja essa mudança ou “reestruturação”, haverá um gasto de 86,85 bilhões de reais na “modificação” da carreira dos militares. O que abrange duplicar a ajuda de custo para quando o militar se aposentar e também institui gratificações e adicionais que variam de 5% a 32% do salário.

 

Ou seja, trocando em miúdos nós trabalhadores (as) civis, em especial as Mulheres pagaremos por mais essa conta.

 

Eliza Santos- Secretária Geral do

Sindicato dos Químicos de Marília e Região.

Secretaria de Direitos Humanos da Força Sindical Regional São Paulo

 

 

                                                                     

Dia Nacional de Lutas contra o fim das aposentadorias! Contra a Reforma da previdência!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×
%d blogueiros gostam disto: